BLOODY VIOLENCE - "Obliterate" (Eternal Hatred Records, Cianeto Discos /2014)

AUTOR: Val Oliveira

http://www.reidjou.com/resenhas/bloody-violence-obliterate-(eternal-hatred-records-cianeto-discos-2014)/
Postado por: Val Oliveira, em 31 de março de 2015 | 159 hits  

Oriunda de Porto Alegre/RS e formada em 2013, BLOODY VIOLENCE exercita nesse Ep, um Technical Death Metal, que foi gravado no Hurricane Studio com produção de Sebastian Carsin. A capa, bem sombria e expressiva é assinada por Rafael Tavares.

A sonoridade da banda é agressiva, pesada e não é de fácil assimiliação, principalmente pelos sons que Igor Dornelles tira de sua guitarra e predominam por todo cd, em especial na primeira faixa, "Piece Of Shift". A sonoridade da guitarra, em alguns trechos, na primeira audição, me remeteu a sons de Atari, Megadrive e fliperamas. O Technical Death Metal da banda é bem dinâmico e cheio de variações, alternando passagens rápidas, brutais, melódicas e cadenciadas. O vocal é bem urrado, em alguns momentos bem na linha "pig scream". "Born To Squirm" é a menor música do Ep, tem riffs insanos e uma dinâmica feroz. A última faixa, "Purge", que é tão brutal quanto as anteriores, traz riffs velozes, vocais brutais e uma cozinha trabalhadíssima, que aliás, tem um grande desempenho durante todo o material. A banda segue veloz, num crescendo até os 3:00, quando há uma mudança brusca, seguindo bem arrastada, e aumentando a cadencia mas não se tornando veloz novamente.
A banda está de parabéns, devendo apenas se atentar à alguns poucos exageros. Indicado para os fãs do Metal Extremo!


TRACKLIST:
1- Piece Of Shit
2- Born To Squirm
3- Purge

LINE UP:
Cantídio Fontes – vocal
Igor Dornelles – guitarra
Israel Savaris – baixo
Eduardo Polidori – bateria

Contatos:
www.facebook.com/BloodyViolenceOfficial
www.youtube.com/user/BloodyViolenceTV

 
PARCEIRO:

VEJA TAMBÉM

KOSMUS - Kosmus (MS Metal Records-2016)


VOCÊ SABIA?
Camila.
A música Camila não é sobre um caso de amor. Na realidade narra toda a história que envolveu um estupro no Rio Grande do Sul. Algumas partes da letra denunciam isso, como no trecho " Às vezes peço a ele que vá embora, que vá embora (...)" e "Os olhos que passavam os dias a me vigiar, a me vigiar" (...)" e ainda " "Chorando e esperando amanhecer, amanhecer (...)".