TRIARES - “Tudo Tem Final” (Independente - 2017)

AUTOR: Alex Viana

http://www.reidjou.com/resenhas/triares-tudo-tem-final-independente-2017/
Postado por: Val Oliveira, em 24 de maio de 2017 | 86 hits  

Nota: 09.5/10.0


Parei pra ouvir este primeiro álbum da paulista TRIARES, na mesma época que foi divulgada a morte do grande músico Chriss Cornell (ex-Soundgarden, Audioslave), e confesso que chorei muito no decorrer desta resenha. Não que estes caras aqui tenham influência direta no som de Chriss, mas eles vem de uma escola muito parecida, a do Alternative Rock.


Pois bem, alicerçados por uma excelente produção, este trio vem com muita desenvoltura e um “quê” comercial apresentar o seu trabalho. Com um vocalista que se sustenta muito bem, o que é primordial para este segmento, e uma cozinha excelente, a TRIARES disponibilizou músicas contagiantes, com temas em português, e que certamente pode vir a dar muito certo no decorrer de sua carreira.


Agora contando com o suporte de uma das maiores agências do país, nos foi informado que a carreira internacional do grupo meio que já começou, com a confirmação da canção “Ver Além” em uma coletânea europeia ainda neste primeiro semestre. É com muita alegria que recebi tal informação, tendo em vista que a nossa língua poderia ser um agente depreciativo para este rompimento de fronteiras. Ledo engano, pelo visto!


“Tudo Tem Final” é um disco agradável e que merece ser escutado na íntegra, até por isso, preferi não sair destacando esta ou aquela faixa em específico. Excelente pedida, portanto fiquem atentos a este nome: TRIARES.


Track List:



  1. R.I.P.

  2. Ver Além

  3. Só Mais um Dia

  4. Solidão

  5. Seu Valor

  6. Insuficiente

  7. Os Sentidos

  8. Onde Nada Acontece

  9. Eu Sei


 


Formação:


Valter Barbosa (vocalista e guitarrista)


Marcos Luz (baixista)


Stuart (baterista)



 
PARCEIRO:

VEJA TAMBÉM

SOTURNUS - "Of Everything that Hurts" (Eternal Hatred Records/2013)


VOCÊ SABIA?
Alice Cooper
Foi o nome da banda montada pelo vocalista Vincent Damon Furnier, que tomou o nome para si após a dissolução desta. O nome, segundo Vincent, foi inspirado por um espírito através de uma tábua de ouija (uma ferramenta para comunicação com os mortos semelhante ao "jogo-do-copo" difundido no Brasil). Alice Cooper teria sido uma feiticeira e uma das vidas passadas do vocalista.